Olá visitante

Itens no carrinho: 0

Subtotal: R$0,00

Estamos em recesso até o dia 05/01/2015. Todos os pedidos realizados serão atendidos a partir de 06/01/2015. Agradecemos a compreensão.

O Príncipio Educativo em Gramsci

Autor(es): Mario Alighiero Manacorda

Editora: Alínea

de R$45,00

por R$36,00

Disponibilidade: Em estoque

Prazos de entrega

O Príncipio Educativo em Gramsci O Príncipio Educativo em Gramsci

A pedagogia marxista afirma que o processo educativo do homem é embasado no trabalho, isto é, nas relações sociais e técnicas pelas quais produz sua sobrevivência. Mario Alighiero Manacorda, neste livro, responde algumas questões lendo e comentando para nós os escritos de Gramsci, na sequência cronológica de sua produção, começando por uma redação escolar de 1910 (o primeiro escrito do autor de que dispomos), e finalizando sua análise com a última carta que enviou ao filho Delio, em 1937, pouco antes de morrer. Um autor historicista como Gramsci não poderia ser lido de outra forma.

Apresentação da 2ª Edição Brasileira

Ao Leitor

PARTE 1 – OS ESCRITOS DA JUVENTUDE

Prólogo
As experiências escolares pessoais (-1910)
A formação crociana e o antipositivismo (1911-1915)
O contato com a classe operária: crítica da escola burguesa e do reformismo socialista (1916-1918)
A adesão à experiência soviética: em busca de uma política educativa do proletariado (1919-1922)
As iniciativas político-culturais nos primeiros anos do fascismo (1922-1926)

PARTE 2 – AS CARTAS DO CÁRCERE

Prólogo
A escola dos confinados (janeiro-dezembro de 1927)
A educação dos filhos e dos sobrinhos: língua e dialeto (março de 1927 - dezembro de 1928)
As duas dúvidas de fundo: tecnologia e espontaneísmo (janeiro-julho de 1929)
Resolvida a primeira dúvida: contra o espontaneísmo (dezembro de 1929)
Espontaneidade e coerção (julho-agosto de 1930)
Resolvida a segunda dúvida: por uma educação tecnológica (outubro de 1930)
Ainda a espontaneidade e a coerção (dezembro de 1930-maio de 1931)
Da microcoerção à macrocoerção (julho-setembro de 1931)
A escola soviética: inclinações e desenvolvimento total (dezembro de 1931)
A escola italiana: a preparação para o trabalho (fevereiro de 1932-abril de 1933)
De Croce a Lênin: a hegemonia (março-junho de 1932)
O homem moderno integralmente desenvolvido (agosto de 1932-agosto de 1933)
Todos os homens do mundo (1936)

PARTE 3 – OS CADERNOS DO CÁRCERE

Prólogo

Caderno 1 - XVI (1929-1930): primeiras notas pedagógicas esparsas
A universidade e outros organismos de cultura
O princípio pedagógico dos moderados
O Estado, sua ‘trama privada’e o folclore
As primeiras notas sobre o americanismo
Conformismo e desnovelamento: velhos e jovens
Oratória e cultura
Ainda o americanismo

Caderno 4-XII (1930-1932): as notas sistemáticas sobre a escola
Ideologia, ciência, marxismo
A fonte soviética declarada
Todos os homens são intelectuais
A organização da escola e da cultura
A escola unitária
Trotski e o americanismo
Continuidade e descontinuidade educativa
O princípio educativo na escola elementar e média
O novo intelectualismo e o itinerarium mentis

Cadernos intermediários de miscelâneas (1930-1932): retomada e entrelaçamento de temas
Organização da escola
O americanismo
Conformismo e personalidade
O Estado educador

Caderno 12-XXIX (1932): intelectualização = industrialização
A organização da escola
O princípio educativo

Últimos Cadernos de Miscelâneas (1932-1933): conformismo = socialidade

Caderno 22-V (1934): um americanismo não americano

Caderno 29-XXI: o conformismo linguístico (e tecnológico)

Conclusão: a grande criptografia pedagógica gramsciana

Esquema dos Cadernos do Cárcere

Escritos de Gramsci

Referências

Edição 2ª - Revisada
ISBN 978-85-7516-581-2
Coleção Coleção Educação em Debate
Páginas 326
Formato 14 x 21 cm

A pedagogia marxista afirma que o processo educativo do homem é embasado no trabalho, isto é, nas relações sociais e técnicas pelas quais produz sua sobrevivência.
Gramsci, paradoxalmente mais marxista do que Marx, dilata a noção de trabalho e detalha como o industrialismo é o princípio educativo moderno que forja o novo homem do século vinte, conformando-o à sua lógica.
O que quer dizer Gramsci com essa tese? A que industrialismo se refere? Por que e como o trabalho industrial transforma a sociedade, a família, a escola, os métodos pedagógicos? Como se posiciona diante desses desafios o ideário socialista? Mario Alighiero Manacorda, neste livro, responde a essas questões lendo para nós e comentando os escritos de Gramsci, na sequência cronológica de sua produção, começando por uma redação escolar de 1910 (o primeiro escrito do autor de que dispomos), e finalizando sua análise com a última carta que enviou ao filho Delio, em 1937, pouco antes de morrer. Um autor historicista como Gramsci não poderia ser lido de outra forma. Tudo em Gramsci é datado: "não gosto - escreveu à cunhada Tatiana em dezembro de 1930 - de atirar no escuro; prefiro ter um interlocutor ou adversário concreto." Porém, de cada crítica sua, de cada análise concreta, de cada polêmica, emerge um vigoroso pensamento "desinteressado" (expressão típica dele), o que o tornou um pensador clássico.
Manacorda capta com precisão não só a inspiração metodológica de Gramsci, mas também sua natureza polêmica. Por isso escolhe, com evidente propósito de provocar, o subtítulo do livro Americanismo e conformismo, que diz, no Ao leitor, “pode constituir para alguns leitores um exagero ou talvez uma traição ao pensamento de Gramsci". Nem exagero e muito menos traição, já que o próprio Gramsci escrevera: "O anti-americanismo é mais cômico que estúpido" e "me agrada utilizar precisamente a palavra ’conformismo’ para chocar os imbecis". Quem o lê sem preconceitos, sabe o que Gramsci entendia dizer.
Coincidência? O autor deste livro é um intelectual italiano, nascido em 1914, comunista da velha guarda, culto, polêmico, absolutamente íntegro e profundamente humano. Ou seja, há uma evidente sintonia de valores, cultura e modo de ser entre Gramsci e Manacorda. E, até por isso, não haveria ninguém melhor do que este para nos explicar o que exatamente entendia Gramsci ao afirmar que o trabalho industrial é o princípio fundamental da educação moderna.
O livro é uma obra indispensável, um clássico, para quem quer conhecer a proposta pedagógica de Gramsci.

Paolo Nosella

* Imagens meramente ilustrativas, não representam fotos reais do produto.

FECHAR